BAIÃO VAI RECEBER O TERCEIRO NÚCLEO DA EXPOSIÇÃO “CLAMOR DA MARÉ CHEIA”

0
208

A vereadora da Cultura, Anabela Cardoso, representou a Câmara Municipal de Baião, a 14 de julho, na inauguração de um núcleo da exposição “Clamor da Maré Cheia” na envolvente ao Museu Nacional de Arqueologia e ao Mosteiro dos Jerónimos, revelou a autarquia baionense em nota de imprensa.

À margem da exposição foi visitado o espólio daquele Museu Nacional, com destaque para o Tesouro de Baião, conjunto de peças de ourivesaria de grande valor datadas da idade do Ferro.

A cerimónia contou com a presença da Ministra da Cultura, Graça Fonseca, da Secretária de Estado Adjunta e do Património Cultural, Ângela Ferreira, da artista plástica Cristina Rodrigues, do Diretor Geral do Património Cultural João Carlos Santos, do Diretor do Museu Nacional de Arqueologia, António Carvalho e de representantes dos municípios de Vila do Conde e Valongo.

BAIÃO VAI RECEBER UM NÚCLEO

“Clamor da Maré Cheia” é uma exposição com quatro instalações de arte contemporânea, concebidas em sintonia com o lugar de exibição: para além da escultura inaugurada em Lisboa, as restantes serão exibidas no Mosteiro de Santo André de Ancede (inauguração marcada para 25 de julho); em Vila do Conde e em Valongo.

“É com este tipo de iniciativas que se democratiza a cultura. Levar obras de arte contemporânea a territórios de tradição, integrados numa programação cultural que inclui repertório de ópera é algo pouco comum”, referiu Anabela Cardoso. A autarca baionense elogiou ainda a inovação e irreverência presente na obra de Cristina Rodrigues. “É já uma das grandes certezas da nova geração de artistas plásticos portugueses. Tem os olhos postos no futuro, com um pé dentro do seu país e o outro no Mundo, mas não esquecendo as suas raízes. Destacamos ainda o facto de ter raízes familiares no nosso concelho e uma ligação forte ao nosso território”.

A Ministra da Cultura deu os parabéns aos três municípios e ao Museu de Arqueologia que trabalharam em conjunto para a concretização do projeto. “O objetivo do Governo quando lançou este programa “Programação Cultural em Rede”, financiado por fundos europeus, era despertar a colaboração entre municípios, museus e entidades artísticas. Quisemos fomentar o diálogo entre a arte contemporânea e as tradições.

Por sua vez, a artista Cristina Rodrigues destacou o trabalho muito profissional e dedicado realizado pelos municípios e entidades envolvidos. “Todos se empenharam muito, o que se traduziu numa parceria muito gratificante”, observou. Cristina Rodrigues explicou que procurou no conjunto de esculturas “Clamor da Maré Cheia” construir “uma narrativa que exalta o Homem como um ser curioso e trabalhador, capaz de enfrentar grandes adversidades por caminhos desconhecidos. As esculturas que integram a obra são fruto de uma reflexão sobre a odisseia humana”.

O diretor do Museu Nacional de Arqueologia, António Carvalho, destacou a boa colaboração entre todas as entidades envolvidas. E disse que aquela é uma instituição aberta ao território, visto que no seu interior encontram-se peças recolhidas em centenas de municípios portugueses, que ali estão estudadas, tratadas e devidamente documentadas. O responsável disse ainda que poderá no futuro estreitar a colaboração com os municípios para que os cidadãos possam conhecer ainda melhor o património cultural dos seus territórios.

ANABELA CARDOSO LANÇOU DESAFIO

No seu discurso, e aproveitando a oportunidade de estar presente no Museu Nacional de Arqueologia, a vereadora Anabela Cardoso mostrou disponibilidade do Município de Baião para acolher exposições temporárias com as peças originárias de Baião que se encontram naquele museu.

“Existem no acervo deste Museu peças importantes dos lugares de onde vimos. No caso de Baião estão aqui expostas e depositadas peças de inestimável valor como o “Tesouro de Baião” – do qual o município reproduziu uma cópia, com a devida autorização do Museu -, gravuras paleocristãs de Frende, ou peças de Santa Cruz do Douro, Santa Marinha do Zêzere ou Tresouras. Seria do maior interesse das nossas comunidades, que essas peças pudessem ser expostas nos nossos territórios. Em condições dignas, com todos os requisitos artísticos e de segurança”.

O assunto deverá ser estudado futuramente no contexto da colaboração entre as entidades.

EXPOSIÇÃO FINANCIADA POR RECURSOS EUROPEUS

Esta exposição resulta da colaboração entre os Municípios de Baião, Valongo e Vila do Conde, da artista plástica Cristina Rodrigues e do Museu Nacional de Arqueologia.

Sendo integrada no projeto “Programação Cultural em Rede”, a mostra tem financiamento através de fundos europeus, que comparticipam integralmente a criação artística e a organização das exposições, não existindo assim custos para as entidades organizadoras.

INAUGURAÇÃO E CONCERTO

No dia 25 de julho decorre às 15h00, no Mosteiro de Ancede, a inauguração da exposição “Clamor da Maré Cheia”. A mesma será seguida por um concerto da cantora lírica Carla Caramujo. Serão interpretadas obras de Hahn, Fauré, Puccini, Lacerda, Vianna da Mota, Grieg e Rachmaninoff, com a presença dos músicos Álvaro Pereira e Evandra Gonçalves nos Violinos, Luis Norberto na Viola d’Arco e Michal Kiska no Violoncelo.

Em virtude da pandemia COVID-19 a presença no espetáculo é gratuita mas é necessário fazer reserva através do número 965 279 709.

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

11 + seventeen =