CANDIDATURA DE CERTIFICAÇÃO DO CAMINHO DE TORRES COMO ITINERÁRIO DO CAMINHO DE SANTIAGO

0
329

Na passada sexta-feira, dia 10 de setembro, a Casa das Artes de Felgueiras recebeu a segunda reunião da Comissão de Acompanhamento do projeto “Valorização Cultural e Turística do Caminho de Santiago – Caminho de Torres”, liderado pela CIM do Tâmega e Sousa, em parceria com as Comunidades Intermunicipais do Alto Minho, do Ave, do Cávado e do Douro, e cuja Comissão de Acompanhamento integra 34 entidades portuguesas e espanholas.

A reunião teve como ponto principal da agenda de trabalhos a preparação do dossier para apresentar a candidatura à certificação do Caminho de Torres como itinerário do Caminho de Santiago.

De acordo com a CIM do Tâmega e Sousa, a aquisição da certificação, “traduz-se no reconhecimento do cumprimento de um conjunto de critérios que visam garantir, entre outros, a autenticidade do itinerário, o seu caráter ininterrupto no território e no tempo, uma gestão responsável e de valorização da oferta, uma maior segurança, conforto e melhor experiência do peregrino, promovendo-se também a ligação às comunidades locais e a testemunhos de interesse.”

O Caminho Português de Santiago, no qual se enquadra o Caminho de Torres, é o segundo itinerário mais percorrido para chegar até ao apóstolo Santiago, apenas superado pelo Caminho Francês, e integrando este a Lista Indicativa de Portugal ao Património Mundial da UNESCO, a sua certificação vai permitir o aumento do número de visitantes nos sítios e atrações culturais ou naturais associados ao Caminho de Torres, bem como contribuir para a valorização da identidade cultural das regiões envolvidas no projeto.

Em Portugal, a certificação é feita pela Direção-Geral do Património Cultural, no quadro do Decreto-Lei n.º 51/2019, de 17 de abril de 2019, que regula a valorização e promoção do Caminho de Santiago, através da certificação dos seus itinerários.

A CIM do Tâmega e Sousa menciona ainda que “o dossier da candidatura do Caminho de Torres será elaborado pelo assessor científico do projeto “Valorização Cultural e Turística do Caminho de Santiago – Caminho de Torres” autor do livro Caminho de Torres. História de um Caminho. Um Caminho na História, Paulo Almeida Fernandes.”

O Caminho de Torres, que liga Salamanca a Santiago de Compostela, em Espanha, é um dos quatro itinerários jacobeus estruturados em Portugal (Caminho da Costa, Caminho do Interior, Caminho Central, Caminho de Torres), atravessando três concelhos da Região Centro (Almeida, Pinhel e Trancoso) e 15 da Região Norte – Sernancelhe, Moimenta da Beira, Tarouca, Lamego, Peso da Régua e Mesão Frio (que integram a CIM do Douro), Baião, Amarante e Felgueiras (que integram a CIM do Tâmega e Sousa), Guimarães (que integra a CIM do Ave), Braga e Vila Verde (que integram a CIM do Cávado), Ponte de Lima, Paredes de Coura e Valença do Minho (que integram a CIM do Alto Minho).

Liderado pela CIM do Tâmega e Sousa, e em parceria com as Comunidades Intermunicipais do Alto Minho, do Ave, do Cávado e do Douro, o projeto “Valorização Cultural e Turística do Caminho de Santiago – Caminho de Torres”, tem nos seus objetivos “proceder ao levantamento, do ponto de vista histórico e geográfico, à intervenção e à valorização de parte do traçado do Caminho de Torres, ou seja, os cerca de 230 quilómetros correspondentes à extensão do território de influência das cinco Comunidades Intermunicipais parceiras.”

A Comissão de Acompanhamento integra representantes da Direção-Geral do Património Cultural, do Turismo de Portugal, da Comissão Nacional da UNESCO, do Secretariado Nacional dos Bens Culturais da Igreja, da Obra Nacional da Pastoral do Turismo, da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte, do Agrupamento Europeu de Cooperação Territorial Galicia-Norte de Portugal, do Eixo Atlântico do Noroeste Peninsular, da Direção Regional de Cultura do Norte, da Entidade Regional de Turismo do Porto e Norte de Portugal, da Federação Europeia do Caminho de Santiago, da Sociedad Anónima de Xestión do Plan Xacobeo, do Comité Internacional de Peritos do Caminho de Santiago, das Comunidades Intermunicipais do Alto Minho, do Ave, do Cávado, do Douro e do Tâmega e Sousa, das Câmaras Municipais de Amarante, Baião, Braga, Felgueiras, Guimarães, Lamego, Mesão Frio, Moimenta da Beira, Paredes de Coura, Peso da Régua, Ponte de Lima, Sernancelhe, Tarouca, Valença do Minho e Vila Verde.

O projeto “Valorização Cultural e Turística do Caminho de Santiago – Caminho de Torres” é cofinanciado pelo Norte 2020, Portugal 2020 e União Europeia, através do FEDER – Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional.

Mariana Carneiro

 

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

3 × 5 =